Registro da turma do 4º e 5º ano desta quinta-feira(23) na Pedra da Letras (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Registro da turma do 4º e 5º ano desta quinta-feira(23) na Pedra da Letras (Foto: Sezimar/Blog do PS)

Os professores, coordenação e alunos do 1° ao 9° ano da Escola Municipal Francisco Barbosa da Câmara visitaram durante toda a semana a comunidade indígena do Amarelão localizada em João Câmara, em alusão ao dia do Índio e também para conhecer um pouco sobre a cultura desses povos indígenas.

A chegada na comunidade foi muito interessante porque a coordenadora do departamento de educação, Maria Ivoneide Campos da Silva, 48 anos, hoje aposentado estava esperando, ansiosamente o alunado, para recepcioná-los com uma belíssima apresentação sobre a cultura da aldeia.

A primeira visita foi na bela árvore Gameleira. Segundo relatos de moradores mais antigos, a árvore tem mais de 200 anos. Depois visitamos o sítio de pinturas rupestres. Lá o guia Francisco Ismael falou sobre as pinturas e sua importância como registro e patrimônio histórico e cultural.

Foi um passeio no tempo, regado à beleza e da natureza. Os alunos do 5º ao 9º fizeram um turismo pelas estradas de barro da comunidade que os levou a algumas trilhas que davam acesso a Pedra do Sino, as Inscrições Rupestres, aos Tanques e aos Açudes da Comunidade.

Podemos nos deliciar com uma mata verde, cheia de animais e flores. Do alto da Pedra do Sino podemos ver os roçados dos Mendonça. O passeio no Amarelão me redeu um belo registro fotográfico, mesmo com a chuva, a poesia fluiu no cinza do dia nublado nas terras dos Mendonça.

Coordenadora do departamento de educação, Maria Ivoneide Campos da Silva, fazendo a sua apresenação sobre a comunidade índigena do Amarelão (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Coordenadora do departamento de educação, Maria Ivoneide Campos da Silva, fazendo a sua apresenação sobre a comunidade índigena do Amarelão (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Alunos chegando na bela ávore conhecida por Gameleira. Segundo relatos de moradores mais antigos, a árvore tem mais de 200 anos. (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Alunos chegando na bela ávore conhecida por Gameleira. Segundo relatos de moradores mais antigos, a árvore tem mais de 200 anos. (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Momento onde os alunos estavam na trilha com destino a pedra das letras (Foto: Sezimar/Blog do PS)
Momento onde os alunos estavam na trilha com destino a pedra das letras (Foto: Sezimar/Blog do PS)