Companheiros de chapa na sucessão passada, da qual saíram vitoriosos, o prefeito Ariosvaldo Targino(Vavá) e o vice-prefeito Josafá Araújo, ambos do DEM já se situariam hoje politicamente em campos opostos.

Embora ambos se neguem a tecer considerações a respeito do tema, é visível o desconforto já existente no relacionamento político do prefeito e seu substituto imediato, reflexo que se percebe nitidamente também entre seguidores de cada um, configurando um divisionismo dentro do sistema governista e do próprio partido.

Não é novidade a falta de cordialidade e entendimento político entre os dois, mas a medida que o processo sucessório se aproxima, aumenta o distanciamento entre os dois. Isso se deve ao fato de Josafá se sentir desprestigiado pelo prefeito, fato que é público e notório.

Pré-candidato natural a sucessão de Vavá pelo Democratas, Josafá tem engolido calado alguns fatos que comprovam a falta clara de compromisso do gestor para com sua pré-candidatura em detrimento de outro postulantes no sistema.

Josafá tem percebido claramente algumas secretarias funcionando para beneficiar concorrente no sistema, o vereador Maurício Caetano. Tem inclusive recebido com tristeza o fato de alguns ocupantes de cargos em comissão ou contratados, serem demitidos por declarar apoio a sua pré-candidatura.

Segundo um articulador da sua pré-campanha, Josafá teve recentemente uma conversa com o prefeito Vavá e expôs o seu sentimento de insatisfação no sistema e deixou claro que mantém firme sua pré-candidatura a prefeito de João Câmara, tenha ou não seu apoio.