A análise de conjuntura da castanha realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) demonstra uma valorização de 36,58% no Rio Grande do Norte, comparados aos de fevereiro do ano passado.

Segundo a Conab, a comercialização do quilo do produto foi de R$ 3,51. O percentual de alta só ficou atrás do Ceará, que teve uma alta de 45,16% no preço de mercado, chegando a R$ 3,60 o quilo do produto in natura e a frente do Piauí, em que a castanha subiu 30,21%, chegando a R$ 2,50 o quilo.

Os três estados concentram mais de 80% da produção nacional. Neles, a castanha foi comercializada bem acima do preço mínimo estabelecido pelo governo federal, de R$ 1,70 o quilo.

O aumento do preço da castanha in natura se deve, sobretudo, ao aumento da demanda interna e à diminuição da safra nos últimos anos frente ao clima seco da região, informa o analista de mercado da Conab Marden Teixeirense.