O professor Cristiano Chaves, escreveu esse breve texto sobre o caso do ator Fábio Assunção. Destaque para esse trecho: “Lembro da propaganda da Sprite que dizia ” sede não é nada, imagem é tudo”.

“Estou assustado com a lamentável repercussão que o episódio envolvendo o ator Fábio Assunção tem gerado.

Quando o véu da beleza do ator não mais encobre a humanidade da pessoa, muitos do que aplaudiam, agora, atacam ou, quando não, tripudiam transformando em piada, em memes ou em retransmissão de mensagens de WhatsApp ou redes sociais. As fronteiras entre a glória e a vergonha social são demarcadas pelos celulares! Sim, os celulares, está verdadeira máquina mortífera, a nova “arma de fogo” da sociedade contemporânea, como postou, com a sensibilidade de sempre FABRÍCIO CARPINEJAR, também sobre o tema.

Lembro da propaganda da Sprite que dizia “sede não é nada, imagem é tudo”. É verdade! Não se leva mais em conta a substância das pessoas, mas a imagem captada pelas (perigosas) lentes de um celular – não raro, descontextualizados e relativas a situações muito específicas.

Aliás, as pessoas perderam o direito de terem reações, sob violenta emoção! Aquelas pessoas reativas estão em
perigo constante…

A imagem que fica é a que a câmera flagrou, pouco interessando a história da pessoa e a situação específica! E se for uma pessoa pública (celebridade), melhor ainda: vai ser avassalada como uma pessoa que não tinha o direito de ser humana! Não replico qualquer dos vídeos e memes que recebo sobre humanos em tais situações! Lamento recebê-los.

A vida privada periclita. Não temos noção de onde isso chegará! Grandes pensadores (como FOUCAULT, em Vigiar e punir, e STEFANO RODOTÁ, em A vida privada na sociedade de vigilância) já alertavam para essa fiscalização, atentatória à intimidade alheia. Mas, tenha cuidado porque a próxima vítima pode ser você!

Estou convicto de que preciso ampliar e verticalizar as possibilidades proféticas, pois as violações estão se sofisticando: se antes eram namorados preteridos (merecidamente!) que violavam a confiança que mereceram, publicando fotos íntimas, agora quando alguém começa a falar um pouco mais alto (mesmo que seja por motivos de alegria), as armas em série (celulares) já são apontadas, para humilhar socialmente. Se for famoso, então….

Na época da faculdade, lembro das festas e encontros relaxantes com os (bons) amigos que, até hoje, preservo (e que, seguramente, lerão estas linhas e concordarão, mais por sensibilidade e humanidade do que por amizade). Ali, prevalecia a máxima “o que acontece em Vegas, fica em Vegas”. Nos dias de hoje, o que acontece em Vegas, pode ganhar as redes sociais, mesmo que integre o mais recôndito aspecto da intimidade”

A próxima vítima dessa arma pode ser você!

Cristiano Chaves de Farias é promotor de Justiça do Ministério Público do Estado da Bahia. Mestre em Ciências da Família na Sociedade Contemporânea pela Universidade Católica do Salvador – UCSal. Professor de Direito Civil da Faculdade Baiana de Direito e do Complexo de Ensino Renato Saraiva. Membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM.